Publicado por: Mauricio | 25/05/2011

A correnteza

Por onde você andava, quando pedi pra voltar?
Por onde você divagava, quando pedi pra pensar?
Por onde você dormia, quando pedi pra me amar?
Qual caminho escolheu, eu não sei.

Por onde sussurrava, quando pedi pra cantar?
Por onde dormia, quando pedi pra sonhar?
Por onde falava, quando pedi pra dizer?
Qual destino escolheu, eu não sei.

E onde você se escondia, eu não sei.
Quando te pedi pra ficar, de uma vez.
De quando te implorei, pra te ver e não vi.
Qual caminho então, você disse:

“Que o melhor é deixarmos pra trás,
Pois de todas as pedras que joguei,
E de todas as pétalas que arranquei,
Do bem me quer sequer desfolhei!”

E agora o que resta, sou eu.
Do que sobrou de nós, eu não sei.
Num mar de rosas, um botão.
Que na correnteza, se foi.


Responses

  1. gostei da poesia,poema sei lá…
    mais é sempre bom melhorarmos…
    muito bom…
    deixei meu blog ai embaixo
    vai lá da uma olhada…
    amo escrever..

    • Obrigado por comentar!😀


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: