Publicado por: Mauricio | 07/05/2009

Abismo

Eu me concentro.
Olho para o fim.
E suspiro…
Vejo rostos.
Sinto cheiros.
E abraços.
Então refuto.

Entre o sim e o não.
Existe um abismo.
De átomo, elétrons e prótons.
Neutrinos! Uma força pagã.
Que compulsivamente.
Amálgama.

Assim somos nós.
Pequenas partes do infinito.
Aonde co-existem Deuses,
Ciência e alívio.
Que, como não se bastassem.
Ainda me acalmam.

À beira de mim.
Me calo e clamo.
Inclinado e de joelhos.
A beira do horizonte.
Peço perdão.
A quem puder me ouvir.

À beira do horizonte.
O Sol já me basta.
Numa lição de sutileza.
De energia infinita.
De mormaço.
E razão.


Responses

  1. Essa também é muito bacana, cara!

    Aliás, se você não se importar, vou afanar aquela da humildade e postar no “Banalidades”.

    Um abraço e até breve!

  2. hehe. Pode afanar! Obrigado! Abs


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: