Publicado por: Mauricio | 13/10/2008

O Super-Humano

Rápido e impreciso.
De acento errado, comunica.
Na palavra batida, discursa.
Com a mão cerrada, conclama.
E de mãos abertas, exclama.

Voa até o infinito e volta.
Levando o mundo nas costas.
Ressuscita do albergue.
Das mais profundas ilusões.
E repousa celeste, na cama.

Arredio e trêmulo.
Ao pé do limoeiro, há sombra.
Voltando ao passado, discursa.
Com a mão na cabeça, duvida.
Se ao errar tanto, foi humano.

Sem mais temores e incrédulo.
Ainda ouve Suzana chamando.
De mãos espalmadas, a prece.
No mínimo pendura o terço.
De punhos unidos, pede.

Trancado há três dias no quarto.
Vestem seu rosto, sem pressa.
Sem capa e imortal, descansa.
De olhos abertos, espanta.
A salvação então, acontece.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: