Publicado por: Mauricio | 29/06/2008

Das coisas da vida

Outro dia te vi passar.
Rasgando flores ao seu pesar.
E inodoro, insípido era o olhar.
De que não ama a si próprio.
Nem ao menos um instante.

Busca ao acaso, insensato destino.
Doce e carente; amarrado semblante.
Regado do puro e insano eterno alívio.
De quem busca carente.
Num incesante alívio.
A cura pras coisa da vida.
Das coisas da vida.
Coisas da vida.
Da vida.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: