Publicado por: Mauricio | 29/06/2008

Das coisas da vida

Outro dia te vi passar.
Rasgando flores ao seu pesar.
E inodoro, insípido era o olhar.
De que não ama a si próprio.
Nem ao menos um instante.

Busca ao acaso, insensato destino.
Doce e carente; amarrado semblante.
Regado do puro e insano eterno alívio.
De quem busca carente.
Num incesante alívio.
A cura pras coisa da vida.
Das coisas da vida.
Coisas da vida.
Da vida.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: