Publicado por: Mauricio | 28/08/2007

Grito

Da tua boca calada um grito,
Um susto e um suspiro.
Do coração ferido uma dor.
Um frio e vontade de esconder.
Fugir para onde não há abrigo.
Dentro de um coração falido.
Pela demência que o próprio corpo lhe causou.
Pela falta que existia quando não chegava.
E nunca mais voltou.
Pela mudança súbita de todas as cores.
E sons e sinais e vozes.
Que antes eram bem-vindas.
Agora zumbindo em ouvidos.
Desde que você partiu .
Aquele bar e aquela esquina parecem de outros.
O que era nosso não mais me pertence.
Parece um deserto agora, do que antes era mar.
Um mar de razões para contemplar qualquer coisa.
Desde que estivesse por perto.
Para lhe escrever um pequeno recado.
Ou lhe contar o meu dia de trabalho.
Que nunca esteve tão longo e vazio.
Tão agudo e dissonante.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: